Sunday, 25 September 2016

40 anos!!! Parabéns, U2!!!!!!!!


Muitos Parabéns, U2!!!!! 40 anos!!!  Grande festa!!!

Ficam aqui alguns marcos, numa pequena homenagem.

"New Year's Day", do álbum War (1983), inspirada no Movimento do Solidariedade 
(Lech Walesa, Polónia).

E que foi um dos videos que mais gostei...




Do mesmo álbum, a icónica "Sunday, Bloody Sunday", sobre o Domingo Sangrento, na Irlanda do Norte, ocorrido a 30 de Janeiro de 1972.




"Pride (In the Name of Love)", do álbum Unforgettable Fire (1984), numa homenagem a Martin Luther King.

Muito cantei e dancei esta música, senhores...




"Where The Streets Have No Name", de um álbum que marcou a minha geração, The Joshua Tree
(1987). 

O nome do álbum foi inspirado numa conversa tida por Anton Corbijn, o fotógrafo da banda, rapaz aqui destas paragens abaixo do nível do mar. Fui ver a exposição dele, no ano passado, a Haia, lembram-se? :-)

Uma das minhas memórias mais marcantes do grupo, o video abaixo:




E depois, há aquela música, que para mim é a pérola maior: "All I Want Is You", do álbum Rattle and Hum (1988). Em CD, aprecia-se de forma mais depurada a conjugação límpida dos instrumentos (o video, em si, está um pouco "barulhento", com muito ruído). Desta canção, gosto especialmente do minuto final.




Finalizo, com uma música, para mim, muito especial: aquela que eu dançava muito nos meus 20, 21 anos...
"Even Better Than The Real Thing", do álbum Achtung Baby (1991).
Ainda hoje. :-)



Votos de boa semana!!

Thursday, 22 September 2016

Beras Kentjoer e Kunjit Assem - duas bebidas indonésias benéficas para a saúde



Lembram-se de vos ter dito que tínhamos ido ao Festival Indonésio de Comida, Música, Arte e Cultura, o "Pasar Raya 2016", em Wassenaar, perto de Haia? Foi no início deste mês. Nessa semana, fiz um post sobre as palavras indonésias de origem portuguesa, a propósito do cartaz à entrada do recinto do festival. Mas depois, não cheguei a partilhar convosco fotografias do festival, nem vos falei sobre duas bebidas 100% naturais, à base de plantas, que experimentei por lá, e gostei muito. Hoje vamos pôr essa escrita em dia. ;-)

Na foto abaixo: comida do Bali.

Não experimentei, mas ficou na minha mira para a próxima.
Tinha um aspecto delicioso. E só vi à saída. Naquele momento, já não conseguiria comer um prato tão bem recheado...



Se bem se recordam, um casal amigo convidou-nos para irmos com eles a este festival. A primeira impressão foi logo muito positiva, por causa da organização. Junto ao parque de estacionamento, onde deixámos o carro, havia um autocarro muito confortável para nos transportar até ao recinto do festival. Autocarro e festival gratuitos (como todos os festivais a que temos ido cá).

Na fotografia abaixo, os senhores com quem tirei, depois, uma fotografia, já com a coroa de rainha.



Reinado de curta duração, que antes e depois de mim, houve mais rainhas. Mas já dizia Dona Luísa de Gusmão: " Antes rainha uma hora, que duquesa toda a vida". ;-))  E "os meus" guerreiros eram muito simpáticos: um deles até conversou comigo (muito brevemente) sobre os colares em osso, que estavam na tenda ao lado.

Ao cirandar pelas diversas tendas, tomei contacto, pela primeira vez, com duas bebidas indonésias caseiras, sem produtos químicos, e feitas exclusivamente à base de plantas. Gostei tanto, que acabei por trazer uma garrafa de cada para casa.Na fotografia abaixo, os nomes e benefícios destes sumos caseiros.




Eu gosto de experimentar bebidas e comidas diferentes e quando sinto que trazem benefícios para a minha saúde, gosto de introduzi-las na minha alimentação. Foi o caso aqui, em que as bebidas cumpriram o prometido: nada de estômago inchado e dores pré-menstruais, o intestino a funcionar que nem uma maravilha e mais energia.

Aconselho, sobretudo, a mulheres que sofrem dos sintomas atrás descritos, o Kunjit Assem. Segundo percebi, de acordo com as minhas amigas indonésias, o Kunjit Assem é-lhes dado a beber na adolescência, a partir do momento que se tornam senhoras (como se dizia antigamente), na semana anterior à menstruação, para evitar ou aliviar as dores. Pelo que entendi, 3 copos, nessa semana, serão suficientes para este efeito (mas eu bebi um pouco mais, que o sumo sabe bem). A amiga, que me levou a este festival, dizia-me também que a mãe dela lhe dava esta bebida para ela ficar com a pele mais bonita ( e a verdade é que a minha amiga tem uma pele muito suave, impecável). Esta bebida, por ter mais curcumadeverá ser bebida em menor quantidade que a primeira bebida abaixo descrita, Beras Kentjoer, que se destina sobretudo ao nosso bem-estar geral e pode ser bebida com mais regularidade.

NB: No meu caso pessoal, não vi necessidade de contactar previamente o meu médico antes de tomar estas bebidas, mas claro que devem fazê-lo se isso vos deixar mais tranquilas.

Já alguém aí experimentou estas bebidas? E que tal? Gostaram?

Muito simpaticamente, a Menuet Catering disponibilizou-me informação mais detalhada que partilho convosco mais abaixo. 

Para aqueles que vivem cá e possam estar interessados:
Neste momento, o restaurante está fechado, mas eles estão contactáveis via Facebook, email e telefone. No meu caso, como gostei tanto, acabei por ir a Rijswijk de propósito, para comprar mais garrafas (foi aí que lhes pedi o favor de me enviarem a informação sobre os ingredientes e os benefícios por mail, uma vez que eu queria fazer um post sobre as bebidas).


JAMOE BERAS KENTJOER (KENCUR)


Ingredientes



Arroz (Rice)
Curcuma (Turmeric)
Gengibre (Ginger)
Tamarindo (Tamarind)
Açúcar de Palma Javanês (Javanese Palm Sugar)
Folhas de Pandan (Pandan Leaves)



Benefícios


Acalma o estômago inchado devido aos gases.
Reduz o ácido gástrico e alivia em caso de úlceras.
Reduz o nível colesterol.
Aumenta a vitalidade.
Reduz a dor muscular.
Trata a tosse.
Tratamento natural para aliviar dores de cabeça e enxaquecas.


JAMOE KUNJIT ASSEM

Ingredientes



Muita curcuma.
Gengibre.
Tamarindo.
Açúcar de Palma Javanês.


Benefícios


Reduz e pode até eliminar dores e inflamações (a corcuma é um anti-inflamatório muito forte).
Combate a gordura (bebida dietética).
Ajuda a regular o nível de açúcar no sangue.
Reduz a dor menstrual.
Ajuda a regular o ciclo menstrual.
Combate o envelhecimento e torna a pele mais bonita.
Tem um nível elevado de antioxidantes.
Ajuda no tratamento de artrite, cancro, diabetes, doenças do coração e de Alzheimer.


Na página do Facebook da Menuet Catering, encontram um video que mostra como as bebidas são preparadas.

Neste link, podem obter mais informação sobre os benefícios da curcuma.


Wednesday, 21 September 2016

O Restaurante Het Pannekoekschip em Almere Haven


Em Almere Haven (a área mais antiga de Almere)

O Restaurante Het Pannekoekschip

Muito giro para miúdos e graúdos!

Neste barco, comem-se panquecas várias, como o próprio nome indica (o barco das panquecas).

De seu nome "Johanna", data de 1939 e chegou a estar alugado à Cruz Vermelha para prestar ajuda médica na frente de batalha, durante a Segunda Guerra Mundial, até ao momento da capitulação do país.

Após a capitulação e durante a ocupação alemã, conseguiu ficar a salvo (escondido), não tendo sofrido um único arranhão. 

Depois do final da Guerra, a sua primeira viagem foi novamente ao serviço da Cruz Vermelha, desta vez, para transportar bens de primeira necessidade até Roterdão, cidade que, naquela época, estava muito carente de tudo.

Hoje, é um restaurante muito querido e estimado pelas famílias da cidade de Almere.








Para aqueles que vivem cá e queiram ver o cardápio, por favor, clicar aqui.




O "Johanna" tem capacidade para 180 pessoas no interior e 70 no exterior.

Estas fotografias foram tiradas na semana passada. Nesse final de tarde, os clientes estavam todos lá fora a jantar, no convés do barco.

Monday, 19 September 2016

Um barco a sair de Almere Haven



Um barco a sair de Almere Haven





Votos de boa semana para todos!

Friday, 16 September 2016

O Inquérito sobre Reciclagem


Primeiro, foi o sino que tocou. Depois, ele optou pela campainha. Foi esta semana. Era um rapaz, perfeitamente identificado, que disse estar a fazer um inquérito sobre os nossos hábitos de reciclagem. Segundo entendi, a autarquia queria recolher informação e aproveitar para esclarecer alguns pontos.

Quantos contentores tinha eu, perguntou-me. Disse-lhe que 3.
"Dois azuis e um verde?".  "Sim.", respondi,  "Sendo o verde para o lixo orgânico e os azuis para o papel e o plástico.".
"E o verde tem separador?" Confirmei novamente que sim, bem como que colocava o lixo orgânico na parte da frente e o restante na parte detrás.
"A senhora sabe que pode colocar latas e embalagens no recipiente para o plástico?"  Disse-lhe que o meu marido já me tinha informado.
"E na cozinha, faz a separação?" Ao que respondi que sim, que tinha 3 recipientes distintos.
"E usa os sacos próprios para o efeito?" Novamente disse que sim, que utilizava o saco verde para o lixo orgânico e os sacos brancos para o restante.
"E a reciclagem de objectos de maior porte?" Disse-lhe que ia com frequência aos centros de reciclagem.

Até aqui, as perguntas foram aquelas que eu estava à espera. O que me surpreendeu foram as seguintes:

"A senhora tem algum reparo a fazer quanto à reciclagem ou outros aspectos que considere importantes?"


Foi a primeira vez, na minha vida, que fui questionada pela minha edilidade se estava satisfeita com a minha zona envolvente e se tinha queixas a apresentar (ele mencionou a questão da limpeza). Em Portugal, nunca me tinha acontecido...e aqui, até à data, também não, mas há outras formas ao nosso dispor para apresentar ideias que beneficiem o bairro ( há até um orçamento específico ao qual nos podemos candidatar, por ex.).

" Quem? Eu?", respondi, ainda um bocado perplexa. "De todo. ", respondi. "Olhe à sua volta. Está tudo impecável: estradas, passeios, canteiros. Há pouco tempo, vieram limpar os esgotos e iluminação também está ok. Estou muito satisfeita com a Câmara Municipal (Stadhuis)."

" Alguma sugestão que queira dar? Alguma melhoria que ache necessária?"


Eu, muito agradavelmente surpreendida a olhar para o rapaz, que, naquele momento, representava a edilidade, disse-lhe que não. Que estava tudo bem e nada tinha a sugerir.

( lembrei-me que o problema da lomba que estava demasiado alta já tinha sido resolvido, e sem ser isso, não me ocorreu mais nada).

No final, disse-me:

" Nós vamos estar por aqui a falar com os seus vizinhos. Se, entretanto, se se lembrar de alguma coisa, diga: alguma reclamação ou sugestão de melhoria."

Sim, senhor, pensei eu com os meus botões... 
E este é dos dos aspectos que me faz gostar muito de viver nos Países Baixos: o facto de sermos estimulados a intervir no bem-estar da sociedade onde estamos inseridos, seja com sugestões, projectos, doações, voluntariado...

Mentalmente, recapitulei alguns aspectos, a tentar descobrir algo que pudesse dizer/sugerir...:

o isolamento sonoro das janelas já foi medido, verificado e avaliado, sendo que está tudo de acordo com a lei e não vou precisar de mudar as janelas e os vidros ( cujos custos seriam da responsabilidade do município, uma vez que se trata de uma questão de saúde pública, dado que a autoestrada se situa aqui próximo);

fibra óptica em casa também já temos, que a autarquia mandou colocar por conta do orçamento local em todas as casas do município que quiseram ter mais esse benefício;

o corredor dos quintais tem sido limpo;

a paragem dos autocarros já foi alargada, o horário tem sido cumprido e os autocarros são muito confortáveis de uma forma geral e adequados a pessoas com mobilidade reduzida;

as passadeiras estão visíveis e os semáforos funcionam bem;

os parques infantis estão cuidados e foram recentemente alvo de novos apetrechos;

(o meu marido disse-me, depois, que há poucas semanas fizeram um abaixo-assinado para apresentar à Câmara, a solicitar uma protecção num dos passeios, que impeça as crianças de correr para a estrada e que ele a subscreveu).

os contentores de reciclagem do vidro e da roupa também estão em boas condições, bem como os marcos do correio;

a polícia e a "buurtpreventie" ( o grupo de vizinhos que faz a ronda do bairro) têm feito a vigilância;

a ambulância dos animais (que faz a recolha de animais feridos e/ou mortos nas estradas) e a carrinha do centro de saúde que faz a entrega dos medicamentos junto daqueles que não se podem deslocar também têm passado...

o site do bairro, onde os vizinhos pedem ajuda uns aos outros, também tem estado activo...

Não me lembrei de mais nada e acabei por não chamar o rapaz que continuava a entrevistar a vizinhança... Ainda não tive oportunidade de falar com os meus vizinhos, mas estou curiosa por saber se apresentaram alguma ideia. Os holandeses têm sempre algo a dizer ou sugestão a dar....Daquilo que me é dado a observar, são muito participativos na sociedade, seja nas organizações/actividades de bairro, seja no voluntariado ou na adesão às iniciativas locais levadas a cabo pelos municípios ou outras entidades (comerciais, por ex.).


Almere Haven, a zona mais antiga da cidade (que tem 41 anos). 
De vez em quando, gosto de lá ir, especialmente aos gelados Mariola.
Fotografias tiradas ontem, no final da tarde.


Love you, Almere!



Votos de bom fim-de-semana para todos!



Thursday, 15 September 2016

Das noites abafadas do Estio holandês



Os dias têm estado muito abafados. Típico Verão holandês. Sendo que, para nós, o Estio mais agradável foi o do ano passado. Ontem à noite, em Amesterdão, janelas escancaradas, tal como aqui, no bairro, e creio que por todo o país. E as crianças muito pequenas e os idosos mais frágeis como aguentam, não sei. A ventoinha gira no quarto, mas não o ar. Para fazer alguma tarefa doméstica sem desfazer-me em suor e quase desfalecer entre o sobe e desce de escadas, acordo muito cedo, às cinco. Pelos vistos, a vizinha também, que ouvi o aspirador aí pelas sete. A tarefa que me dá mais prazer no momento é regar os canteiros e os vasos de flores dos jardins. Hoje, de manhã cedinho, encontrei-as murchinhas do calor intenso de ontem. Sim, mea culpa, que ontem à tarde, abandonámo-las e fomos para a praia dormir a sesta debaixo do chapéu de sol. Soube bem dormir, pois tem sido difícil nestes dias. A praia estava cheia e ainda pensámos que não conseguiríamos lugar de estacionamento. O mar, fresquíssimo, soube a dádiva dos deuses. Que devem andar loucos para nos darem dias assim. Acho que metade do país deve ter parado para ir à praia. Ou sou eu, que já estou com o juízo toldado das poucas horas de sono que temos tido. Ontem, o Bazar (o restaurante onde jantámos em Amesterdão, a caminho de casa) tinha as portas completamente escancaradas. Enquanto esperávamos pelo prato, que costumamos pedir, sempre que lá vamos (o Bizar Bazar de carne), saquei do meu melhor amigo destes dias, o meu leque, e pu-lo a trabalhar. Onde eu vou, vai ele: seja a concertos de blues ou a uma simples esplanada. A do Bazar, estava cheia, apesar de ainda decorrerem as limpezas na Albert Cuyp, a longa rua onde fica e lugar do mercado mais famoso da capital. O cheiro a peixe, nesta rua que parece infinita, ainda se fazia sentir um bocadinho e as garças andavam por lá, como de costume. Ao voltar para o parque de estacionamento, junto à Heineken, as esplanadas do De Pijp (o Quartier Latin cá do burgo) continuavam à pinha. Vestidos curtos, calções e sandálias e nenhum desejo de voltar para casa. Mas nós prosseguimos, a sonhar que se tivéssemos um estúdio nosso onde pernoitar na capital, também ficaríamos por ali....:-)

Wednesday, 14 September 2016

Uma sobremesa vietnamita



Num jantar muito agradável em casa da C. e do D.


Chè Ba Màu - A Sobremesa de Três Cores

Feijão (encarnado) cozido em açúcar, cubos de jackfruit (amarelo) e cubos de gelatina de melão (verde). Gostei imenso, mas não misturei tudo no leite de coco (que tinha sido colocado na base do copo), para ser mais do meu agrado. Uma sobremesa óptima em dias de calor! Enjoy!