Tuesday, 9 October 2018

Wende Snijders, "Au Suivant"


A minha cantora holandesa favorita interpretando Jacques Brel pelos 40 anos da sua morte.


Wednesday, 8 August 2018

Aborrecimentos e uma série



Sim, os últimos tempos têm sido muito aborrecidos.

Vamos do menos ao mais grave:

O calor insuportável

O calor insuportável que tem feito por aqui nas últimas semanas. Chegámos aos 38 graus e tendo em conta que o país fica abaixo do nível do mar, podem também imaginar os níveis de humidade...Pouco temos dormido nas últimas semanas, andamos cansados e, nos últimos dias, passei mesmo mal entre diarreia, dores de estômago, suores frios, tensão baixa, tonturas, pouca ou nenhuma vontade de comer, e muita de dormir, mas com o calor quase nada... Há 10 anos que vivemos cá e não me recordo de temperaturas tão elevadas. Hoje melhorou bastante: estão uns 22 graus bem saborosos!

As obras no pátio traseiro


No ano passado, mudámos o chão do jardim da frente e ficámos muito satisfeitos com a qualidade do trabalho efectuado. Combinámos, então, com o rapaz, que ele viria este ano para mudar o chão do pátio traseiro. Ele sugeriu Março e até ofereceu um desconto de Inverno de 300 €. Março chegou, mas ele não. Desculpou-se com questões de saúde. Entretanto, já tinhamos dado o dinheiro para as pedras. Veio Abril, mas ele não e assim sucessivamente até Junho, quando lhe dissemos que assim não podia continuar. Queríamos o nosso dinheiro de volta e contratar outra pessoa. O dinheiro ainda não o vimos, mas um amigo nosso fez o trabalho por um terço do preço. O nível de qualidade não é o mesmo obviamente, mas não podíamos continuar com o quintal como estava: a erva estava muito alta e as pedras muito pretas devido às chuvas. E eu já não posso (nem devo) passar dias curvada a retirar ervas que estão constantemente a aparecer e a lavar as pedras com a máquina de água de elevada pressão, que me dava cabo das costas (eram dias seguidos a lavar as pedras até ficarem rosa novamente). As pedras actuais já não requerem esta manutenção e por isso, as minhas costas estão agora mais estimadas. Pergunto-me sim, quando receberemos o nosso dinheiro de volta. Se nesta sexta-feira, ele não pagar, vamos ter de pôr a justiça ao barulho.

O acidente do meu marido


Há umas semanas, o meu marido teve um aparatoso acidente de viação. Um senhor que ia a dormir ao volante chocou por trás com o carro no nosso, voou por cima e embateu várias vezes no nosso Micra Tecna. O meu marido, que vinha calmamente a guiar, respeitando as regras, foi apanhado de surpresa, mas conseguiu manter o controlo do carro. O pior podia ter acontecido dado a dimensão do acidente, mas miraculosamente estão os dois vivos, tendo ambos saído ilesos do acidente. O nosso carro, com 8 meses, ficou feito  num oito e vai ter uma reparação orçamentada em 11.000 €, que irá ser paga pela seguradora do outro condutor. As peças serão novas. Mas continuamos sem saber quando teremos o carro de volta. Também não tivemos muita sorte com o primeiro carro de substituição, que estava muito sujo e cheirava muito a tabaco. Vamos no segundo que está como deve ser.

Algo que não contei aqui ainda, relacionado com o carro: em Fevereiro, fomos passar o nosso aniversário de casamento a Berlim e alguém resolveu cortar dois dos pneus do nosso carro, que, por acaso, tinham sido todos acabadinhos de estrear (pneus 4 estações, ou seja, também adaptados ao Inverno, possibilitanso assim a viagem até à Alemanha). Isto aconteceu numa sexta-feira à noite. Nós não tinhamos hotel reservado para o dia seguinte e a garagem disse-nos que iria precisar de mais dias para receber pneus idênticos. Tivemos de lá ficar mais 5 dias até a situação estar completamente resolvida. Os custos de hotelaria foram suportados por nós. A seguradora pagou os dois pneus, mas quando chegámos à Holanda, tivemos de mudá-los novamente, por uma questão de segurança, porque não eram exactamente iguais aos outros dois, e esse novo custo já foi assumido por nós.

Enfim, andamos a modos que um bocado cansados e fartos destas situações e o calor não tem ajudado...Ando impaciente e mal-humorada.

Anyway, temos vindo a acompanhar uma série da Netflix, que temos estado a gostar imenso. Chama-se Peaky Blinders. Já conhecem? Excelentes interpretações, óptima realização, boa fotografia e boa música.  Fica aqui um cheirinho...





Tuesday, 29 May 2018

Destas semanas



Destes dias…

Daquilo que já fazíamos e das rotinas que cumprimos sempre que chega a Primavera:

O tempo tem estado muito bom e já fomos 3 vezes à praia de sempre, Katwijk aan Zee.

Estreei um fato-de-banho novo, em preto.

Num do regressos de Katwijk, jantámos no nosso restaurante de sempre em Amsterdam, o Bazar.

Já demos o pulinho da praxe aos gelados Mariola, em Almere Haven.

Temos tido dias de Verão, mas hoje está muito húmido e tem sido difícil de aguentar.

Temos ido a bons e gratuitos concertos de Jazz.

Vi duas exposições, uma em Almere Haven e outra em Amsterdam.


Mas também temos feito coisas novas:

Iniciei duas actividades de voluntariado e tenho conhecido muitas pessoas interessantes.

Fiz-me membro de dois clubes de leitura, um de Literatura e outro de História de Arte. Os livros são em holandês e passo muito tempo de roda do dicionário para poder compreendê-los e discuti-los com as minhas colegas holandesas, cada vez que nos encontramos. Mas acho que é a melhor estratégia para adquirir um vocabulário mais diversificado (pela leitura) e uma pronúncia mais correcta (pelo convívio com holandeses).


Iniciámos aulas de Tango e estou a gostar muito. Ainda tenho que trabalhar muito a postura e o equilíbrio, mas os professores são pacientes.

Demos 3 passeios muito bonitos de bicicleta e foi muito bom. Já me sinto mais segura quando as motas passam por mim, ou cruzamos uma ponte por cima de um grande canal. Um desses passeios incluiu um regresso a casa já de noite, e continuei a sentir-me tranquila. Também já passámos por zonas de obras e correu tudo bem.

Fiz uma caminhada de 13 km com um grupo de amigas. Demorou 4 horas, com paragens pelo meio, e cheguei em último lugar, junto com outra amiga. Não era nenhuma competição. Só o gosto da companhia e do contacto com a Natureza.

Tenho ido dançar música dos anos 70 e 80 uma vez por mês, que house e techno nunca foram a minha praia.

Fiz karaoke pela primeira vez na minha vida. Duas vezes, e a segunda foi pior que a primeira.

Fomos padrinhos de casamento pela primeira vez e gostei imenso de preparar tudo com a noiva. Um casamento intimista, como eu gosto e o nosso também foi.

Em suma:

Não me esqueci dos meus amigos da blogosfera, mas este tempo mais preenchido tem sido bom para mim. Faz-me falta, depois das limitações do ano passado. Está tudo bem. E voltarei. Só preciso de mais um tempinho. Obrigada pelo vosso carinho de sempre e paciência para comigo.

Entretanto, começou a chover. Que bom! Que bom!

Beijos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!





Wednesday, 25 April 2018

Da Liberdade


Da Liberdade que hoje se comemora em Portugal, só posso desejar a todos um Feliz Dia 25 de Abril!

Que a mensagem e vida de Liberdade nunca se percam e a responsabilidade que com elas veio acrescida, também não. Para que a possamos garantir e salvaguardar, sempre, à Liberdade.

Hoje, para celebrar, um fado português que descobri há poucos dias. Chegou-me por mail, vindo do Luxemburgo. Escrevia-me a filha mais velha de um dos donos do meu café preferido da Cidade, em português correctíssimo, ela que é holandesa, com raízes no Curaçao e no Suriname, e que actualmente trabalha como tradutora num organismo internacional. Ela que se chama Moira, como as nossas Moiras encantadas, e que se encantou pelo livro de Eugénio de Andrade que lhe enviei pelos pais, quando lá foram de visita.

Para todos, com votos de um excelente dia:





Este amor não é um rio
Tem a vastidão do mar
A dança verde das ondas
Soluça no meu olhar

Tentei esquecer as palavras
Nunca ditas entre nós
Mas pairam sobre o silencio
Nas margens da nossa voz

Tentei esquecer os teus olhos
Que não sabem ler nos meus
Mas neles nasce a alvorada
Que amanhece a terra e os céus

Tentei esquecer o teu nome
Arrancá-lo ao pensamento
Mas regressa a todo o instante
Entrelaçado no vento

Tentei ver a minha imagem
Mas foi a tua que vi
No meu espelho, porque trago
Os olhos rasos de ti
Este amor não é um rio


Sunday, 1 April 2018

Feliz Páscoa!


Com votos de uma Feliz Páscoa para todos, o bonito trabalho de ponto cruz que a Paula Lima me ofereceu.





Saturday, 10 March 2018

Charlottenburg Palace, Berlim: a Sala Dourada


Iniciar a visita a um palácio com uma sala destas, é qualquer coisa, não acham?




Bom fim-de-semana!



Thursday, 8 March 2018

The Spinner, Palácio de Charlottenburg, Berlim


Para o Dia Internacional da Mulher:

The Spinner (A Fiandeira)

Palácio de Charlottenburg, Berlim










Elas são as mães: 
rompem do inferno, furam a treva, 
arrastando 
os seus mantos na poeira das estrelas. 

Animais sonâmbulos, 
dormem nos rios, na raiz do pão. 

Na vulva sombria 
é onde fazem o lume: 
ali têm casa. 
Em segredo, escondem 
o latir lancinante dos seus cães. 

Nos olhos, o relâmpago 
negro do frio. 

Longamente bebem 
o silêncio 
nas próprias mãos. 

O olhar 
desafia as aves: 
o seu voo é mais fundo. 

Sobre si se debruçam 
a escutar 
os passos do crepúsculo. 

Despem-se ao espelho 
para entrarem 
nas águas da sombra. 

É quando dançam que todos os caminhos 
levam ao mar. 

São elas que fabricam o mel, 
o aroma do luar, 
o branco da rosa. 

Quando o galo canta 
Desprendem-se 
para serem orvalho.


Eugénio de Andrade, Algumas reflexões sobre as mulheres