Monday, 15 May 2017

O Festival Eurovisão da Canção era hoje à noite?


No passado sábado à noite, uma mensagem do WhatsApp acorda-me um bocado estremunhada (tinha-me deitado há pouco tempo, mas já dormia tranquilamente). Era uma amiga turca, que me escrevia: "Hi Sandra. Do you watch Eurovisiesongfestival? I like Portugal song very much this year. I think he makes a good chance."

Quando vi a mensagem, meio em estado Bela Adormecida, lembro-me de ter pensado que não sabia a data do festival e lhe responderia no dia seguinte. Quase uma hora mais tarde, nova mensagem: "Yessss, Portugal won the contest! I knew it!" Nessa altura, tinha-me levantado para beber um copo de água. E foi assim que fiquei a saber que a Noite do Festival tinha acabado de acontecer, tínhamos ganho e não assisti em directo à nossa primeira vitória após quase 50 participações neste badalado concurso que tudo parava nos tempos da minha infância.

Juro que é verdade: eu não sabia que o Festival da Eurovisão era neste sábado à noite. Há 21 anos que não acompanho o evento - acabei por perder o entusiasmo, pois nunca ganhávamos, apesar de levarmos boas canções, na maioria das vezes.

No dia seguinte, ainda troquei umas mensagens com a minha amiga, que me enviou o video da participação portuguesa e várias imagens da bandeira verde-rubra. Entretanto, pelo meio da nossa conversa, uma outra amiga, desta vez do Azerbaijão, enviava-me também os parabéns pela nossa vitória: "Gefeliciteerd met de overwinnig van Portugal in de Eurovision Song Festival", acompanhada de muitos emojis. Nesse momento, decidi investigar, mais a fundo, quem era o Salvador Sobral (só conhecia a interpretação da canção "Amar pelos Dois", que tinha escutado há uns dois dias, por curiosidade e sem me inteirar mais sobre a Eurovisão). No fim, acabei por descobrir este video que gostei bastante (a partir do 1:38) e aqui vos deixo...





Para o Salvador Sobral e a Portugal, Muitos Parabéns, por esta nossa primeira vitória no Festival da Eurovisão da Canção com o tema "Amar pelos Dois"!

Votos de boa semana para todos!


Tuesday, 9 May 2017

Os 30 anos de Joshua Tree


Estávamos em 1987. E um dos álbuns mais icónicos da história do Rock era lançado nesse ano pelos irlandeses U2. Um álbum que ficou para a História pelo seu carácter político, mas também pela sua tocante espiritualidade. O nome, The Joshua Tree, surge após uma conversa com o fotógrafo da banda, o holandês Anton Corbijn. Um álbum aclamado pela crítica, que atingiu records de vendas e marcou a juventude daquela época (e não só, claro). Foi o álbum dos meus 16 anos e é um dos álbuns da minha Vida. The Joshua Tree festeja agora 30 anos, numa digressão mundial que tem o seu início já dia12 de Maio, nos Estados Unidos da América, fazendo jus à história de um dos álbuns mais marcantes do Rock da segunda metade do século XX. Nele podemos escutar uma junção muito feliz de música irlandesa e norte-americana e, para os mais atentos, os conselhos e a sabedoria de músicos como Bob Dylan e Keith Richards. Das paisagens desérticas americanas da capa do álbum para o Mundo surgiram belíssimas canções como estas, que aqui vos deixo...


Mothers of Disappeared (As Mães dos Desaparecidos), inspirada na situação política que então se vivia em El Salvador ( e que inspirou também outra canção do mesmo álbum, Bullet the Blue Sky).

In the wind we hear their laughter 
In the rain we see their tears 
Hear their heartbeat, we hear their heartbeats...

 


I still haven't found what I'm looking for....( de carácter mais espiritual)

I have spoke with the tongue of angels

I have held the hand of a devil 
It was warm in the night 
I was cold as a stone...




Running to Stand Still 

( o que eu gosto desta parte...)


You got to cry without weeping 
Talk without speaking 
Scream without raising your voice ...



Trip Through Your Wires

 ( harmónica e guitarra, gosto imenso!)

I was broken, bent out of shape

I was naked in the clothes you made.
Lips were dry, throat like rust 
You gave me shelter from the heat and the dust...





Continuação  de boa semana!


Monday, 1 May 2017

2 Cellos


A música sempre teve um poder curativo sobre mim (stress, tristeza, dores, whatever).

Esta semana, tenho vindo a descobrir este grupo de dois rapazes e estou a gostar muito. O grupo chama-se 2 Cellos. Já conhecem?  

Aqui, numa das músicas da minha vida, Gabriel's Oboé, da autoria de Ennio Morricone (e  que já ouvi ao vivo, pelo próprio, duas vezes). Um tema muito conhecido, de um filme que gosto muitíssimo, The Mission (1986).





O grupo 2 Cellos toca temas dos mais variados e os que se seguem são mais "barulhentos". Atenção, pois, à mudança de registo.

No video abaixo, numa "brincadeira" com um guitarrista que gosto imenso, Steve Vai (há 20 anos e qualquer coisa, tive a oportunidade de vê-lo actuar na Aula Magna, em Lisboa). O tema é do grupo rock AC/DC.


 


Um outro video que gostei particularmente: os 2 Cellos num dos temas mais conhecidos dos Nirvana, Smells Like Teen Spirit.




No Youtube, encontram muito mais. Muito engraçado  um dos videos, em que uma música dos AC/DC irrompe num concerto de música barroca, "que estava a ter lugar em pleno século XVIII". ;-)

Numa grande variedade de registos, um grupo a escutar muitas vezes.

Achei lindíssima esta interpretação de um temas do filme de Ridley Scott O Gladiador.




Votos de boa semana!

Saturday, 29 April 2017

Bom fim-de-semana!





Porque as conquistas mais simples, das mais pequenas coisas, são de facto as mais grandiosas.

Bom fim-de-semana!

Tuesday, 25 April 2017

25 de Abril


Um dos meus poetas de eleição, Ary dos Santos.


Não sendo do seu partido político, nem concordando com muito do que se passou posteriormente ao 25 de Abril (saneamentos, actos de violência, ocupações,...), gosto imenso deste poema. Para mim, um monumento, numa dicção que não vacila, em 16 minutos grandiosos de dizer poesia.

Viva a Liberdade! Viva o 25 de Abril!




Bom feriado!

Sunday, 16 April 2017

Boa Páscoa!



Votos de Feliz Páscoa para todos os Amigos, leitores, comentadores e seguidores deste Presépio com Vista para o Canal.

Neste primeiro dia de Páscoa, por terras baixas...

Tulipas oferecidas pela minha amiga holandesa R.
Gosto muito deste descair/derramar de flores pela mesa, entre livros e caixas de chá...




VROLIJK PASEN!

Tuesday, 28 March 2017

Deste tempo cálido e de dormência suspensa



Do tempo do sol luminoso lá fora. Dos camiseiros brancos, azuis e às riscas que tanto gosto. Dos lenços de final de tarde em branco, verde-água, azul e destas cores misturadas. Dos gelados de fim-de-tarde. Dos passeios já imaginados aqui pelas redondezas. Do verde dos campos e dos muitos animais que vemos, entre vilas e cidades, pelas janelas dos comboios: cavalos, ovelhas e vaquinhas, claro. Mesmo que "retidos" num espaço, como uma sala ou um quarto, conseguimos imaginar como é esse mundo que nos transcende, neste tempo de narcisos aqui e e ali, pela cadência tão certa dos ciclos, nestas terras baixas, de canais e vedações frágeis de madeira, que mais parecem de brincar. Basta fechar os olhos e lembrar como são todos os anos estes anúncios de Primavera. E escancarar os ouvidos, às vozes dos petizes entre brincadeiras pelas ruas, neste tempo cálido e morno que nos envolve numa dormência suspensa. Ainda não se ouvem aqui e ali as máquinas de pressão de limpeza das lajes dos jardins, mas já fui surpreendida por uma, discretamente, esta semana. Entretanto, já inaugurámos a época dos espargos cá em casa, e hoje vamos ter sopinha dos ditos ao jantar, pois já comprámos o pacote com todos os ingredientes no Albert Heijn.

NB: texto reeditado a 29 de Março, às 11:27.

Saturday, 25 March 2017

Vento. Luz.



Vento. Luz. Vento que espalha lixo pelos passeios e jardins da frente, sobretudo plásticos. Pergunto-me de onde vêm, se todos temos caixotes altos para o efeito. Vento que também traz as folhas castanhas  de Outono das árvores ainda despidas de Inverno. Luz. Luz que nos deixa ver o vento num baile ondulante de folhas castanhas pela rua. Luz que também nos traz saudações primaveris: "Lekker weertje, eh?" - diz-me a vizinha com um sorriso, referindo-se ao bom tempo,  ao chegar de carro com o marido, enquanto varro as folhas castanhas de Outono das árvores ainda despidas de Inverno. Luz que quer dizer "lá fora", na vida que recomeça, nos narcisos que despontam nas rotundas e separadores das estradas. É tempo de ir pelas mãos dançantes de valsa do Vento suave que sussurra Luz e Primavera.

Bom fim-de-semana!


"Strange Fruit", numa versão de uma cantora polaca que descobrimos recentemente e estamos a gostar muito, Natalia Mateo.





Thursday, 23 March 2017

Maria Minor, Utrecht - Um bar numa antiga igreja



Há umas semanas, fui levada por uma amiga a um bar que fica numa antiga igreja. Nos Países Baixos, já tinha visitado uma livraria situada numa igreja (em Maastricht) e um museu (em Utrecht) e tinha visto a fachada de um teatro (em Bergen op Zoom). Mas, num bar, nunca tinha estado. Fica em Utrecht, junto à estação central. Já tinha passado em frente, várias vezes, mas nunca me tinha apercebido que se tratava de uma antiga igreja. Mais uma daquelas escondidas e disfarçadas, como duas que conheço em Amsterdam (uma no Red Light District e outra na Kalverstraat); sim, dos tempos em que o culto católico era celebrado em segredo, às escondidas (as schuilkerkjes, como eram conhecidas)...

Esta igreja que falo é conhecida como Maria Minor. Inicialmente, tratava-se de uma casa particular e, desses tempos medievais, já só restam as caves. A igreja escondida data do século XVII, mas, o actual edifício já data do século XIX, época em que realizaram grandes obras no local e da qual data o orgão que podemos ver assim que entramos (1890). Actualmente e desde 2007, o espaço é explorado pelo Café Olivier, especializado em cervejas belgas, que eu já conhecia, mas em Leiden, como contei aqui, e que fica situado no antigo Hospital de Santa Isabel.


As fotografias que tirei com o telemóvel não ficaram nada de jeito, mas encontrei este video no Youtube, que já permite ter um vislumbre. As cervejas ainda terei de experimentar...





Sobre o encerramento actual de igrejas católicas e a sua conversão noutro tipo de espaços nos Países Baixos, ler aqui e aqui, para se ter uma ideia mais precisa.


Tuesday, 21 March 2017

Audrey e Givenchy


Da exposição " To Audrey, with love", no Museu da Cidade de Haia
(até dia 26 deste mês)


Um vestido de 1989, usado numa cerimónia no MOMA ( Museum of Modern Art) em Nova York 





Alguns dos vestidos "cinematográficos" de Audrey Hepburn criados por Givenchy





Sabrina (1954)











Bloodline (1979)




Funny Face (1957)




Outras criações de Givenchy

Alguns detalhes que muito apreciei

Esta manga...pelo cair, pela forma como os folhos vão diminuindo de largura à medida que se aproximam da mão, facilitando os movimentos.




Um vestido de noiva em rosa com um trabalhado que para mim é uma obra de arte...




Gosto da assertividade "imperial"/ majestosa deste vestido, que lhe é dada pelas cores ricas da saia e o seu formato...




Mas também da delicadeza e fluidez deste vestido de noiva a lembrar os anos 20...




Que dizer aqui? Chapeau!







Conjuntos que achei particularmente bonitos

Gostei imenso da parte superior deste vestido, bem realçada pelo contraste com o liso da saia




Gostei muito da capa de linhas verticais a contrastar com o vestido. Tão elegante, a adelgaçar  a silhueta e a dar-lhe altura...




Os vestidos pretos...

Magníficos pela beleza do corte e as linhas depuradas tão características de Givenchy...

Este de penas foi um dos meus favoritos




Gosto muito do padrão deste vestido que, "cortado" nos sítios certos, evidencia a elegância do corpo feminino...




Sensualidade e bom gosto! Gosto bastante do corte diagonal da frente do vestido, realçado pelo botões brancos.



 Gostei imenso do pormenor do brinco, na cor certa, a contrastar e a dar ainda mais glamour/luz ao vestido...




Um conjunto de vários vestidos...




Clientes famosas...

Vestidos de noiva, sendo que o rosa foi o de Audrey no seu casamento com Dotti




Conjuntos de Jackie Kennedy




Conjuntos e Vestidos de Grace Kelly




O casaco que a Duquesa de Windor, Wallis Simpson, vestiu no funeral do marido.
Este casaco é lindo pela sua elegância e simplicidade! Estive um bom pedaço de tempo "a namorá-lo"...




Pormenor do casaco




E, por fim, um vestido que veio de Portugal para esta exposição: este, que pertence à Duquesa de Cadaval, de quem Givenchy é amigo. 




Nota: Em 2015, Givenchy e a Duquesa-Mãe de Cadaval, Claudine, organizaram uma exposição de vestidos de noiva de alta-costura na Igreja do Palácio Cadaval, em Évora. Alguns dos vestidos Givenchy presentes em Haia também fizeram parte daquela exposição realizada no nosso país.

E um filme com Audrey Hepburn e mais criações de Givenchy...





Continuação de boa semana para todos!



Sunday, 19 March 2017

Hoje, com Audrey e Givenchy...


em Haia, no Museu da Cidade...

Uma exposição dedicada a um dos meus estilistas favoritos, Monsieur Le Comte Hubert de Givenchy (1927), numa homenagem à sua musa inspiradora, para ele como uma irmã, a actriz Audrey Hepburn (1929-1993). Esta magnífica exposição está patente ao público até ao próximo dia 26. Para quem tem o cartão dos museus, é gratuita. A visitar, sem dúvida. A curadoria de Givenchy está primorosa e confesso que esta exposição me emocionou: por ver, ao vivo e a cores, criações icónicas do estilista, pela enorme e profunda cumplicidade entre este e a sua musa e que a exposição transmite tão bem, pelas cenas dos filmes memoráveis que iam passando, pelas lindas e também tocantes fotografias de Audrey, sobretudo como Embaixadora da UNICEF. Uma exposição muito terna, muito verdadeira, de um grande afecto. Acho que foi isso que me emocionou. É uma exposição da qual se sai feliz. E, logo à entrada,  o inesquecível Moon River de Henry Mancini,  que depois foi impossível não trautear baixinho, ao longo das salas, enquanto fotografava:..Sim, saí feliz desta exposição...A ver e rever, sem dúvida.





Thursday, 16 March 2017

Purple Gold




E quando a Primavera volta, ei-la de novo, ao fim da tarde,

entre Almere Pampus  e Almere Oostvaarders, para assistir ao pôr-do-sol...

Outro dos nossos rituais, nestes dias maiores...
















Entre os teus lábios 
 é que a loucura acode 
 desce à garganta, 
 invade a água. 

 No teu peito 
 é que o pólen do fogo 
 se junta à nascente, 
 alastra na sombra. 

 Nos teus flancos 
 é que a fonte começa 
 a ser rio de abelhas, 
 rumor de tigre. 

 Da cintura aos joelhos
 é que a areia queima, 
 o sol é secreto, 
 cego o silêncio. 

 Deita-te comigo. 
 Ilumina meus vidros. 
 Entre lábios e lábios 
 toda a música é minha.

Eugénio de Andrade, Retrato Ardente, in Obscuro Domínio, 1971

São paisagens como estas e poemas como este que têm o condão de serenar-me o espírito em momentos mais conturbados, quer da minha história pessoal, quer do mundo que nos rodeia e do qual fazemos parte.

Do álbum Listen Without Prejudice, de 1990, uma canção que me diz muito e continua tão actual como há 27 anos...




Continuação de boa semana!


Tuesday, 14 March 2017

A Primavera está a chegar...



Sinais que já estou em modo primaveril...ou como quem diz, a retomar as tradições primaveris aqui do burgo, nestes dias cada vez mais luminosos e soalheiros...

Gelado no Mariola, em Almere Haven (até hoje, a minha gelataria favorita e que aconselho vivamente a quem passar por cá).

Experimentámos e partilhámos esta copa de gelado pela primeira vez, no passado fim-de-semana. Gelado de limão, com limoncello, chantilly caseiro e bolachinhas, uma delas de chocolate. Uma copa simples, fresca e deliciosa! 

NB: Esta é a versão pequena.





Bitter lemon - uma bebida com sabor a limão amargo, que gosto bastante, e bebo, de vez de quando, quando o tempo convida a uma esplanada. Foi cá que adquiri este hábito. 




Esta fotografia foi tirada no Grand Café Le Baron, em Almere. Gosto muito do estilo do mobiliário deste café, a lembrar os anos 50. As cadeiras são muito confortáveis e o espaço é luminoso, devido às janelas grandes. Aconselho.

Na foto, uma bittergarnituur, algo muito comum por cá. Consiste num tabuleiro com mini lumpias e chamussas de vegetais, almofadinhas de queijo e de frango e bolinhas de carne de vaca. Para colocar a gosto, mostarda, molho picante e maionese. No meu caso, ainda provo uma ou outra com mostarda, mas é só. Gosto mais destes acepipes ao natural, sem molhos.



Sunday, 12 March 2017

Deste fim-de-semana...



Um passeio...








Um poema ...



Quando a ternura 
 parece já do seu ofício fatigada, 

 e o sono, a mais incerta barca, 
 inda demora, 

 quando azuis irrompem 
 os teus olhos 

 e procuram 
 nos meus navegação segura, 

 é que eu te falo das palavras 
 desamparadas e desertas,

 pelo silêncio fascinadas.

Eugénio de Andrade, O Silêncio, in Obscuro Domínio, 1971


Um filme e uma canção, na voz de uma actriz, cujo talento e elegância admiro muito: Diane Keaton...






Votos de boa semana!