Saturday, 12 March 2011

A Wind of Change

I wish a Wind of Change for my country.

the worst economical growth of the last 90 years...
the largest public debt of the last 160 years...
the biggest external debt of the last 120 years...
the worst unemployment rate of the last 80 years...
the lowest saving rate of the last 50 years...
the corruption...
and in consequence...
the second biggest emigration rate of the last 160 years...we are part of this history.

A peaceful demonstration took place today in Lisbon and other Portuguese cities, organized not by political parties or unions, but people around 25/35 years old, most of them unemployed, poorly paid, working in precarious conditions and living yet in their parents house.

In spite their university degrees and high qualifications, many of them don't receive any salary, or when it happens, they receive about €500, without a working contract, but through the so called "recibos verdes" (green receipts}. That means that their working rights are almost zero.

Portugal has a 11% unemployment rate and 2 million poors. Projects like to buy a house, marry and have kids are in "stand by" during several years. Our birth rate is very low and we have an aged country.

These demonstrations were organized via Facebook.

You understand now why we came to the Netherlands three years ago...before it was too late...an emigration process has got many costs.

Manifestação Geração à rasca

(Foto by Daniel Oliveira)

200 000 people only in Lisbon...young and old people...a whole country in trouble saying "Enough!" to the current situation...






I follow the Moskva
Down to Gorky Park
Listening to the wind of change
An August summer night
Soldiers passing by
Listening to the wind of change

The world closing in
Did you ever think
That we could be so close,like brothers
The future's in the air
I can feel it everywhere
Blowing with the wind of change

Chorus:
Take me to the magic of the moment
On a glory night
Where the children of tomorrow dream away
In the wind of change

Walking down the street
Distant memories
Are buried in the past forever

I fallow the Moskva
Down to Gorky Park
Listening to the wind of change

Take me to the magic of the moment
On a glory night
Where the children of tomorrow share their dreams
With you and me

Take me to the magic of the moment
On a glory night
Where the children of tomorrow dream away
In the wind of change

The wind of change blows straight
Into the face of time
Like a stormwind that will ring
The freedom bell for peace of mind
Let your balalaika sing
What my guitar wants to say

Take me to the magic of the moment
On a glory night
Where the children of tomorrow share their dreams
With you and me

Take me to the magic of the moment
On a glory night
Where the children of tomorrow dream away
In the wind of change

11 comments:

bikim said...

Bem !!!!!!!!!!!!!!
muito bem!!!!!!!!!!!
não conseguiria dize-lo melhor!
vamos buraco abaixo sem ninguém pôr travão! Passos Coelho acabou de fazer um discurso em Viana do castelo "exigindo" que o governo arque com as suas responsabilidades e se demita! não vejo a hora de ver aquele aldrabão do sócrates sair! é sem dúvida o pior governo em muitos anos e levarnos-á á ruina! precisamos de um novo 25 de abril!!!!!!!!!!!!!!!! este povo é pasmaceiro demais! manifestações não chegam! precisamos de algo duro e obriga-lo a sair!
infelizmente há aqueles que como nós nem imigrar podem! o meu marido é militar e está preso aqui. ainda bem que vocês decidiram ir! foi o melhor que fizeram!
é triste, não é?!
bjs
Rosa

Presépio no Canal said...

Compreendo a tua situacao, Rosa. Mas creio que a partir daqui ja algo mexeu e isso e bom. Isto nao e so uma geracao que esta a rasca. E o pais todo. Muito ma gestao dos dinheiros publicos, muita corrupcao. A sociedade civil tambem se deixou iludir com o credito facil e perdeu-se um bocado na gestao privada dos seus recursos.
O estrago e tao grande e tao profundo que se vai sentir nas proximas decadas. Mas por algum lado, e preciso comecar a mudar o rumo...
Bjs e forca!

Aledys Ver said...

That's so sad, Sandra! I hope that popular demostrations such as this one make the g'vt realise that they're up there to serve, not to serve themselves, as I always say. But it is also true that changes always must start from down upwards. We cannot forget that those who are now in power, for some reason that sometimes is hard to understand, they've been chosen, not self-appointed...

Presépio no Canal said...

Aledys, the situation in my country is very, very bad. Our independence is only formal.
We have a saying "O maior cego e aquele que nao quer ver"/ The blindest one is the one who doesn't want to see"... I guess that also explains why we are as we are...
You remember when I told you that I've done some alerts to people I know....but I was considered too alarmist... I told them the country would be seriously in trouble in 2008...I've been saying this since 2003...

ana said...

Parabéns pelo conteúdo pertinente que aqui nos deixa.
Não há palavras...
Os Scorpions e a música dizem tudo.
Beijinhos, Sandra!
Obrigada! :)

Castles Crowns and Cottages said...

WOW. THe statistics are alarming, and will it ever get better? I often wonder if we could "GO BACK" to simpler times, but probably not. There are too many things grabbing for our attention and the thought of something simpler would be unimaginable to most. Have a great day dearest Anita

Rosa do Adro said...

Oi Sandra :)

O maior problema neste momento é que não existem alternativas à altura... quem acha que Pedro Passos Coelho vai fazer melhor, está redondamente enganado!!!
E, o mais incrivel é que muitos jovens que estavam na Manifestação, são exactamente aqueles que também não fazem muito por mudar alguma coisa... culpa muitas vezes dos papás, que os cobrem demasiado com as suas asas.
A taxa de desemprego é demasiado elevada, mas os jovens querem empregos e não trabalho...

Jovens como o meu irmão (ainda não tem 50 anos) - não consegue trabalho e é uma pessoa qualificada.

O que existe a todos os niveis está mal distribuido. A proposta que foi para a Assembleia da Republica de baixar em 10% os salároios ds gestores e deputados, foi chumbada.... sabem por quem?! PS e PSD...... E esta, hem?

Todos os que lutam e se sacrificam são os que têm mais prejuizo nas suas vidas e vêem as suas dificuldades financeiras aumentar de dia para dia... e sei do que falo!

Sara said...

Os números da adesão a esta manifestação ilustram bem o estado de ânimo de uma percentagem esmagadora de portugueses. Partilho da preocupação instalada e antecipo graves dificuldades na mudança. Como disse Miguel Sousa Tavares, talvez em 10 anos, com um esforço grande e concertado, cheguemos a uma situação menos claustrofóbica.

Um beijinho!

Presépio no Canal said...

Rosa,

Concordo que a curto-medio prazo estamos comprometidos ate ao pescoco. Passo a citar a Maria Teixeira Alves (blogue Corta-Fitas):

"Neste momento, já não há muito a fazer e o que se fizer para tentar salvar, não só não melhora, como ainda vai piorar a situação social dos portugueses. Temo que Portugal se junte à Grécia e à Irlanda no grupo dos países que vão ter de assumir falência. Não me parece que consigamos escapar. Não sei se algum Governo tem margem para parar esta espiral em que caímos. O que tinha de ter sido feito era não deixar cair as Finanças Públicas em 2009 no descalabro irremediável que caiu. O Estado devia ter cortado logo a despesa nessa altura para não pôr a dívida pública nos 80% do PIB. Tinha que ter deixado falir o BPN, e depois ia lá com o Fundo de Garantia de Depósitos. Tudo o que não fez. Ainda por cima constroi um OE de 2011 baseado numa estimativa de crescimento do PIB de 0,2%. Aonde é que Teixeira dos Santos e Sócrates estão com a cabeça? Isso só tornou pouco credíveis as contas publicas. Deus queira que me engane, mas temo que seja tarde demais. Vamos acabar por pedir ajuda e ainda assim não vai chegar e depois vamos entrar em default..
E isto à custa de despedimentos em massa (o próximo passo, que também não vai ser vir para nada, é a flexibilização dos despedimentos) o que vai provocar uma pobreza extrema das famílias. Enfim, um descalabro."

Neste momento e com este quadro, so peco que o proximo que vier tome medidas estrategicas, tendo em vista o futuro.

Em vez de obras publicas megalomanas que vao deixar comprometidas as proximas geracoes, que invista em trabalho e empregos de proximidade e valorizacao dos recursos que ja temos: recuperacao de patrimonio, limpeza de florestas, arranjo de ruas, dinamizacao cultural, valorizacao e dinamizacao das antigas linhas de caminho de ferro... nao concordarei jamais com o encerramento do Tua [veja-se como o Norte de Espanha esta neste momento a rentibilizar as suas ferrovias mais antigas, tem sido um sucesso], so para dar alguns exemplos, criando assim trabalho por esse pais fora.

Tambem nao posso admitir que um primeiro-ministro informe a Comissao Europeia sem primeiro falar com o Presidente da Republica e o Parlamento. Portugal nao e a casa da mae Joana.

E que emagreca o Estado tentacular. Nao e possivel continuar a pagar aos gestores publicos o que se paga actualmente, para alem de termos empresas publicas a mais.
O Estado que pague as empresas o que lhes deve para que estas tenham mais liquidez.
Que adopte medidas que favorecam a criacao e a sustentabilidade de micro-empresas.
E que nao taxe o cabaz alimentar basico com um IVA elevado.
E que deixe o Hospital D. Estefania em paz. Nos precisamos de um Hospital pediatrico.
Que adopte rapido medidas de apoio a natalidade. No estado actual, nao sei onde ira parar a Seguranca Social num futuro proximo.

Quanto a questao dos jovens...sim, ha aqueles que foram muito mimados pelos papas. Mas olha, aqui esta uma boa oportunidade para crescerem e se deixarem de fitas.

A nossa geracao tambem tem muitas culpas no cartorio, Rosa. Gastamos mais do que deviamos.
E quando nao se faz assim, e-se criticado. Vou dar-te alguns exemplos que se passaram comigo:
Eu e o meu marido, ja em 2003, comecamos a ver o rumo que a coisa estava a tomar, e adoptamos logo algumas medidas de poupanca:
optamos por nao comprar casa, e sim por arrendar;
levavamos comida de casa para o trabalho;
so tinhamos (e temos) um carro que usavamos so ao fds.
roupa e calcado nos saldos;
ferias em Portugal (e ha la pais melhor? :-);
casamos pelo registo com um almoco para seis pessoas ( e foi lindo!).
Foi o que nos aguentou sem sacrificar familiares e contrair dividas desnecessarias.
Agora que estas medidas nao sao la muito fashion e muito in, nao sao...mas aguentamos criticas, e mantivemo-nos seguros no rumo...
Bjs! :-) e que venham ai umas medidas que potenciem o teu negocio e o teu talento, e isso que mais desejo...:-)

Presépio no Canal said...

Sara, muita contencao, muito juizo e muita estrategia. Parece-me que Isto ainda vai ficar pior que o periodo entre 80/83. Bem me lembro das dificuldades daquele tempo. Eu tinha 10/13 anos, mas lembro-me muito bem...acabaram-se as ferias no Algarve, festas de aniversario so para a familia, e comecei logo a estudar com bolsa, sabendo que tinha de tirar boas notas e que reprovar o ano estava fora de questao. Aprendi logo muito cedo a nao "pedinchar" nada a minha mae. E sim, a perguntar se podia comprar isto ou aquilo...a a fazer mealheiro ;-) para as festas em Junho...e a reciclar e a reaproveitar...
Bjs! Sara!

Presépio no Canal said...

Ana :-) vi o video dos Scorpions no blogue da BIKIM, a proposito das boas lembrancas da adolescencia/juventude nos anos 80/90, e nem de proposito, achei a musica muito adequada...
Eu gosto muito dos Scorpions, devo dizer :-)
Ando preocupada. So para dar um exemplo, dois primos meus ja tiveram de fechar as suas pequenas empresas e com muito sacrificio pessoal honraram os seus compromissos com os seus colaboradores. Eles estao com as respectivas situacoes controladas, mas mesmo assim... Nao sei se e por estar longe, mas acabo por sentir mais...
Beijinho e obrigada pela paciencia de escutarem estes desabafos :-)