Thursday, 30 June 2016

Entre gregos e romanos, ou o mesmo será dizer, no Yamas e no Woodstone


Dois dos meus restaurantes favoritos em Almere 

Woodstone 

Restaurante italiano

Está aberto das 12:00 às 23:00, 7 dias por semana e fica no centro da cidade, na Belfortplein.

Às vezes, passamos por lá só para um café e um bolinho de caramelo com gelado de baunilha, que dá pelo nome de Nonna Rie e recomendo vivamente. A dose é generosa e acabamos por partilhar o bolinho.

Já quando vamos jantar, por vezes, partilhamos também esta deliciosa entrada de cogumelos com alecrim e manjericão, gratinada em queijo mozzarella.

(foto tirada com telemóvel pelo meu marido)



As pizzas são deliciosas, de massa fininha, confeccionadas em forno de lenha. 
O menu tem uma oferta bastante variada que inclui pizzas vegetarianas (procurar pelo símbolo "V"), de baixas calorias e sem glúten  (neste caso, é informar que se é alérgico ou procurar pelo símbolo "G"). 
Os preços são muito acessíveis também.
Não admira, pois, tendo em conta a boa relação qualidade/preço e tamanha diversidade de opções, que muitas famílias e grupos se vejam por lá.

Yamas

Restaurante grego

Aberto das 10:30 às 22:00, 7 dias por semana e situado também na Belfortplein.

Foi-me recomendado pela minha instrutora de Zumba (que, por acaso, também adora o Woodstone).
Gostei imenso. Não pedimos nenhum dos pratos; optámos, sim, por várias entradas (mezedes/tapas) para ficarmos a conhecer melhor a oferta da casa. Gostei particularmente das costeletas de borrego (Paidakia) e  do mexilhão frito com alho (Midia). Pressinto que este último, devidamente acompanhado por uma cervejinha ( no meu caso, Palm),  vá ser o nosso petisco de final de tarde, de quando em vez, este Verão.

A sobremesa escolhida foi Kataifi, como podem ver pela fotografia. Partilhada, claro - agora tenho de manter a minha nova reputação de "companhia ideal para jantar em modelo económico".  ;-))
Foi a primeira vez que provei e adorei!! O interior, recheado de nozes, é envolto em tiras de massa humedecida. Delicioso! 

Qualquer dia destes, passo novamente pelo Yamas só para um cafezinho e um Kataifi (que o meu metabolismo não me oiça). ( cof, cof...).  Vou ter de chamar alguém para me ajudar à festa...;-)  E acho que já sei quem é...



O Yamas já está no topo da minha lista. A comida é deliciosa, os preços acessíveis, está muito bem localizado e posso ficar-me pelo petisco, matando saudades de coisas boas, em pequenas quantidades. ;-))

(Não vamos querer que a preguiçosa da minha tiróide me atire novamente para os 87 kg, certo? Pois,...)


Agora mais a sério, e tendo em conta os últimos atentados em Istambul, que não nos esqueçamos de Viver e de nos centrar naquilo que é verdadeiramente importante, uma vez que tudo pode mudar um dia...

Uma canção que gosto muito e me emociona sempre um bocadinho. Espero que gostem também.




Nous prendrons le temps de vivre 
D'être libres mon amour 
Sans projets et sans habitudes 
Nous pourrons rêver notre vie 

Viens je suis là je n'attends que toi 
Tout est possible tout est permis 

Viens, écoute ces mots qui vibrent 
Sur les murs du mois de mai 
Ils nous disent la certitude 
Que tout peut changer un jour 

Viens je suis là je n'attends que toi 
Tout est possible tout est permis 

Nous prendrons le temps de vivre 
D'être libres mon amour 
Sans projets et sans habitudes 
Nous pourrons rêver notre vie 


Dam da da da dam dam da da dam dam dam dam dam dam da dam dam... 

10 comments:

João Menéres said...

Não me fales nem de cogumelos, nem de mexilhão...
Nem de muitas outras coisas que não consigo nem ver ( caracóis, por exemplo ).
Mas gosto muito de tripas à moda do Porto !

Um beijo querida Sandra.

Margarida Elias said...

Fiquei com vontade de experimentar ambos os restaurantes. Não conhecia a canção e gostei muito. Beijinhos! :-)

Presépio no Canal said...

João,

Também não sou apreciadora de caracóis...
Beijinhos, querido Amigo! :-)

Presépio no Canal said...


Margarida,

Gosto da forma "tão certa" como Moustaki a interpreta; e ao mesmo tempo tão natural, sem transmitir qualquer tipo de esforço...

Beijinhos! :-)

Crocheteando...momentos! said...

Atendados incompreensíveis!
Um som belíssimo!
Belos petiscos...onde faria companhia!

Pra semana...compro a linha e começo o estojo!

Bj amigo

Presépio no Canal said...

Graça,

Teria muito gosto na sua companhia. Quem sabe, um dia, ainda vem aqui para os meus lados, de visita...
Obrigada pelo estojo! Vai dar-me muito jeito, pois não consigo encontrar nas medidas que me fazem falta. Mas sem pressa. ;-)

Beijinho amigo!

bea said...

Vamos por partes - a ver se toco em todas as partes - que este post está muito completo. Parece-me que sei fazer uma entrada semelhante a essa dos cogumelos. Também a acho capaz de ser saboreada. Mas ainda bem que o restaurante grego é bem longe, ou "obrigava-me" a passar por lá uma data de vezes.
Quanto a Georges Moustaki - e como já me baralho um bocadinho -, fui só olhar no google se é quem eu pensava. E desta vez, sim. A minha lembrança mais viva dele é a do fado tropical e tenho a ideia de que passou uns tempos por cá aquando do 25 de Abril. Acho-o um francês suave e muito lírico. O poema é jovem, tem sangue fresco e o mundo inteiro em oferta. Ou é o que me lembra: os nossos sonhos, a vida como então a pensávamos. E creio ser esse inexplicável presente onde a juventude se planta que me comove.
Não sei se dei conta de tudo. Mas pelo menos, tentei:))

E obrigada pelas novidades que nos vai trazendo.

Presépio no Canal said...

Bea,

O seu comentário, sim, foi muito completo, até pela apreciação do poema da canção, que muito agradeço.

Almere, visto ser uma cidade recente, não tem ainda tantos restaurantes como Amsterdam ou Haia, mas já possui uma oferta simpática, a preços mais convidativos e em espaços envolventes muito agradáveis. Esta praça, por exemplo, tem espaços de brincadeiras para as crianças, que estas podem usufruir (sem carros a passar), enquanto os pais descansam nas esplanadas.

Se estas dicas puderem ser úteis àqueles que aqui chegam, fico muito contente. Nós chegámos cá sem conhecermos ninguém e no primeiro mês, ficámos num hotel em Amesterdam, enquanto procurámos casa. Nem calcula o choque e a preocupação com os preços dos jantares (vínhamos com um orçamento muito restrito) e sem dicas nenhumas de restaurantes mais em conta e onde pudéssemos comer razoavelmente nos primeiros tempos. Vir sem ninguém à espera e que nos possa dar umas orientações custa um bocado.

MR said...

A entrada do restaurante italiano parece deliciosa. E como gosto muito de todas as variedades de cogumelos...
Quanto à sobremesa, já não. Não gosto destas sobremesas gregas, turcas e do Médio Oriente. Acho-as um bocado gordurosas e enjoativas. Mas gosto imenso da cozinha destes países: Grécia, Turquia, Israel...
Quase hora de almoço. :)
Bom dia!

Presépio no Canal said...

MR,

Só provei comida israelita uma vez - quando fomos visitar o Museu Judaico de Amsterdam - e gostei muito ( do almoço e do museu). A ver se lá volto...;-)

Bom almoço! :-)