Tuesday, 28 February 2017

Museu Van Loon, Amsterdam



Dizia eu, no último post, que tínhamos ido ao Museu Van Loon, em Amsterdam - uma casa senhorial do século XVII (1672), situada no sobejamente conhecido Canal dos Imperadores (Keizersgracht).

Família Van Loon é uma das famílias mais célebres da capital do Reino. Um dos seus membros mais ilustres foi Willem van Loon, co-fundador da Companhia das Indias Orientais (VOC, em neerlandês). Willem van Loon foi um dos directores do núcleo da VOC de Roterdão (os outros núcleos da VOC foram Amsterdam, Middelburg, Delft, Hoorn e Enkhuizen). A Companhia, como sabemos, foi fundada no início do século XVII, em 1602, e terminou em 1799, poucos anos depois da Quarta Guerra Anglo-Holandesa (1781-1784) - guerras essas, durante as quais, o Reino Unido disputou a hegemonia do comércio marítimo aos holandeses.

Esta casa, que agora visitamos, entrou na posse da Família Van Loon já nos finais do século XIX, em 1884, como presente de casamento para o Jonkheer ("Dom", em português) Willem Hendrick Van Loon. À época, a Família já tinha sido elevada à categoria de Par do Reino, ou seja, já tinha sido nobilitada. Numa das divisões da Casa, encontramos fotografias das famílias reais dos Países Baixos, da Bélgica e do Luxemburgo, com as quais a Família Van Loon se foi relacionando ao longo do século passado e finais do século XIX, desempenhando até, cargos elevados e de grande influência junto da Corte da Casa de Orange. Thora Van Loon, por exemplo, mulher de Willem Hendrick Van Loon, foi Dame du Palais da Rainha Guilhermina (bisavó do actual Rei dos Países Baixos). Thora decidia quem seria ou não apresentado à Rainha na sua visita anual a Amsterdam, por exemplo.

Aconselho que passem por este museu, caso venham de férias por estas paragens. A Casa é, de facto, muito bonita. Ficam aqui algumas fotografias para vos abrir o apetite. No site do Museu, ainda encontram mais algumas, como por exemplo, as do piso superior, onde ficam os quartos.

Enjoy!


O Coche de Gala da Família Van Loon 



A cozinha 



O serviço de jantar em porcelana de Limoges com o monograma da Família



Quadros de diversos e ilustres membros da Família Van Loon





Os estuques do tecto e das paredes da escadaria



A sala de estar com ligação ao jardim





Uma vez que não fotografei os quartos, coloco aqui este video que encontrei no Youtube, para que possam dar uma espreitadela. 



Curiosidade: o primeiro residente desta casa foi o pintor Ferdinand Bol, discípulo de Rembrandt.


12 comments:

João Menéres said...

Magníficas as tuas imagens, Sandra !
Estás muito apurada, sim senhor !
E uma bela reportagem sobre o Museu Van Loon.

Muito obrigado !

Um beijo amigo.

Presépio no Canal said...


João,

Muito obrigada! :-)

Foi o melhor que consegui, que o Museu é muito concorrido.

Um grande beijinho!

MR said...

Esta casa deve ser linda. Fui duas vezes a Amesterdão, mas sempre poucos dias. Não deu para ver quase nada.
Boa tarde!

Presépio no Canal said...

MR,

Venha, que damos umas voltinhas jeitosas. Quem sabe, na Primavera. Se eu puder, a cidade e nossa.😉
Boa tarde!

bea said...

Que casa bonita:). Mas, na minha perspectiva de criada de dentro, digo que dá um trabalhão limpá-la. As alentejanas com mania de barrela geral sentiam-se nela um bocado mal; estou assim a imaginar uma senhora que conheço, daquelas que lavam tudo tudo a embicar com os papéis de parede, os cortinados pesados...não iria gostar.
Mas eu achei-a linda se bem que também não para o meu gosto.

Presépio no Canal said...


Bea,

Acredito que sim, que dê muito trabalho, mas com uma boa equipa e as máquinas que hoje dispomos, fica tudo mais facilitado. ;-) Já no tempo das nossas avós e bisavós, as criadas tinham uma vida bem, bem mais dura...

Paula Lima said...

Bom dia!
Aqui dá vontade de passear, olhar, apreciar tranquilamente!

Presépio no Canal said...

Bom dia, Paula! :-)

Então, vamos lá, as duas juntas, de braço dado, passear, olhar e apreciar tranquilamente. ;-)

Este video é convidativo, não só pelas imagens, como pela música.

Beijinho!

Margarida Elias said...

Deve ser muito interessante. Atraíram-me sobretudo os retratos. Beijinhos!

Presépio no Canal said...


Margarida,

E ficamos a imaginar qual será a história de cada um dos retratados...

Beijinhos!

Majo Dutra said...

Gostei sobremaneira da foto-reportagem e do vídeo, Sandra.
É, sem dúvida, um museu admirável, dos que não nos estafam
e realmente, digno de ser visitado, pelo que, fico grata
pela divulgação.
Um Março muito feliz na cidade dos canais.
~~~~~~~~~~~~~~~

Presépio no Canal said...

Majo,

Gosto imenso de museus mais pequenos: não cansam e geralmente são muito bonitos e interessantes. Este fica no centro da cidade e é muito fácil lá chegar.
E há casas-museu a não perder. Em Lisboa, a minha favorita é a da Fundação Medeiros e Almeida.
Obrigada pela visita e comentário. Sempre um gosto tê-la por cá.
Um Março igualmente muito feliz para si. :-)