Thursday, 8 December 2016

Decorações de Natal em Roterdão



No passado sábado, vimos, pela primeira vez, as decorações de Natal da cidade de Roterdão. O passeio foi muito agradável. A zona pedonal é larga e caminha-se bem, à vontade. No final, ainda comi poffertjes...Adoro e fui a única a fazê-lo, por acaso, enquanto conversávamos e ríamos sentados na esplanada...










Um dos filmes de Natal que mais gosto...






14 comments:

Margarida Elias said...

Belas decorações e bons passeios! Beijinhos!

Presépio no Canal said...


Margarida,

Gostei mais desta decorações do que as de Amesterdão.

Beijinhos!

João Menéres said...

Pois ainda vimos as iluminações cá da Invicta, apesar de terem sido inauguradas no dia 1 !

Mas as de Roterdão são de certeza bem mais bonitas, pelo que mostras.

Um beijo amigo.

Presépio no Canal said...

João,

Ao ler o teu comentário, dei-me conta que nunca estive no Porto na época de Natal. Hoje, tenho pena de nunca ter ido ver as iluminações de Natal de outras cidades portuguesas. Ficava sempre por Lisboa...

Beijinhos!

Sami said...

Muito bonitas as iluminacoes Sandra.
Ainda nao fui ver as de Perth!
Em Viseu as iluminacoes de Natal eram sempre expectaculares e ja vi fotos que uma amiga pos no facebook e sao lindas!

Presépio no Canal said...


Sami,

Acho que só estive uma vez em Viseu e lembro-me de ter achado a cidade muito bonita. :-)

Isabel said...

Lindas decorações! Também hei-de colocar as da minha cidade, que são mais simples, mas muito bonitas.

Estas fotos de hoje, consigo vê-las, mas as do último post continuo não conseguindo. Não percebo porquê...

Beijinhos e bom fim-de-semana.
(Hoje aqui estamos de feriado:)

Presépio no Canal said...

Isabel,

Talvez com o Google Crome consiga ver... O meu marido também não consegue ver as fotografias anteriores no computador dele. Ele andou a ver do que seria - contei-lhe que a Isabel não conseguia ver as fotos -, mas parece ser do Google ( ele explicou-me com mais detalhe, mas o que ele me disse para mim é chinês) :-)

Fico contente que tenha conseguido ver estas.

E, sim, mostre as de Castelo Branco. :-)

Beijinhos! :-)

bea said...

Entre o Natal e o Ano Novo gostaria de passear por Lisboa e admirar a iluminação. Mas não sei se vai dar. No ano passado não vi.

Na minha terra há laranjeiras na rua principal e, por norma, no Natal põem-lhes lâmpadas coloridas e elas dão luzes às cores em vez de laranjas. Acho bonitinho aproveitar o que há.

Gosto do espírito de festa que se respira no Natal. É como um contentamento no meio do frio. E Roterdão está, de certeza, bem bonita. Digamos que é um charme natalício mais rafinné.

Presépio no Canal said...

Bea,

Gostava de ver uma fotografia das laranjeiras da sua terra com luzes de Natal. Fiquei a imaginar como seria...:-)
Acho que sim. Há que aproveitar o espírito da quadra, mesmo quando, às vezes, há situações menos boas a acontecer... O espírito do Natal acaba por contagiar e animar...Pelo menos, penso assim. :-)
Boa noite!

Paula Lima said...

Belas decorações estas, as de Roterdão! Passeei por Lisboa, mas sem as luzes acesas. Deu para imaginar como ficarão ao cair da noite!
Bom dia!

Presépio no Canal said...


Paula,

A ver se encontro fotos na net. :-)

Boa noite!

Mister Vertigo said...

Adoramos as iluminações de Natal, elas recordam-nos sempre esses tempos de criança em que fascinados íamos passear com a família para as vermos as célebre luzes a brilhar:)
Obrigado por partilhar estas belas fotos.
No filme que refere, que nos faz recordar o cinema de sketches dos anos setenta, gosto imenso da história protagonizada pela Emma Thompson e o Alan Rickman e depois termino sempre quando escuto a Joni Mitchell por recordar esse segmento do filme.
Bom fim-de-semana

Presépio no Canal said...


Mister V.,

Foi um gosto partilhar estas fotografias. Gostei imenso destas iluminações de Roterdão ( as de Amesterdão nunca as achei particularmente bonitas).
Que saudades do Alan Rickman! Do actor, da voz, do sorriso e da pessoa - apreciei o facto de se ter despedido da vida com imensa discrição e dignidade, pela forma como viveu a doença, quero dizer, sem alardes, holofotes e ruído, ficando as nossas memórias com ele nos tempos do Teatro e do Cinema e no seu grande contributo para a Arte de Talma. Acho que ele tinha a humildade dos grandes. No fim, ele acabou por permitir que os nossos holofotes continuassem na Representação. Achei muito generoso da parte dele.
Boa semana! :-)