Wednesday, 9 September 2015

Estaremos ao pé do piano (I)


"Bom dia! 12h30 em Amsterdam Centraal? Estaremos ao pé do piano. Bjnho." ( A S., minha ex-vizinha em Lisboa, a combinar, via sms, o nosso encontro em Amsterdam, na quinta-feira passada).

Sorri com a ideia de nos encontrarmos ainda nesse dia, junto ao piano, na bela estação de comboios de Amsterdam. O J., o primo dela, que eu ainda não conhecia, viria também. Eles já estavam a passear desde manhã. Eu iria juntar-me a partir da hora de almoço...

Lá fora, chovia, mas o tram 2 (eléctrico) para o bairro Jordaan era já ali, em frente da estação central. Num quarto de hora, nem tanto, chegámos a Prinsengracht (O Canal dos Príncipes), onde fica a famosa Casa de Anne Frank (O Anexo). Ao chegar lá, vimos filas enormes comme d' habitude...Passámos em frente e entrámos no 191, na Pancake Bakery, para almoçar, deixando a chuva para trás e permitindo que os tons quentes da sala e a decoração acolhedora do espaço, com fotografias antigas, nos envolvessem. O itinerário, que tinha desenhado para nós, começava aqui, com panquecas e poffertjes...Very Dutch...

The Pancake Bakery

À entrada (foto da S.)



Poffertjes (foto da S.)



O plano era seguir, depois, até ao Café 'T Smalle, na Egelantiersgracht, ali, a dois passos, para tomar um café ou um espresso, como se diz pelas terras baixas. Assim fizémos. O 'T Smalle, que abriu em 1978, fica situado numa antiga destilaria do século XVIII (1780) e mantém muitos traços e pormenores dessa época, desde os vitrais à escada em espiral para o primeiro andar. O ambiente, de um típico bruin café, com paredes e móveis castanhos, é uma mistura muito agradável de vizinhança de sempre com turistas à procura da atmosfera mais genuína da cidade.

Café 'T Smallle



O interior do 'T Smalle (foto da S.)



A chuva deu umas tréguas e fomos caminhar um pouco pelo bairro. O Jordaan é um dos bairros que mais gosto em Amsterdam. As casas, pequenas, serviram em tempos para alojar a chamada working class. Hoje o Jordaan é a casa de muitos estudantes, artistas, intelectuais e profissionais liberais. Almere, no seu início, começou por ter muitos habitantes oriundos deste bairro, que procuravam casas maiores a preços mais baixos.

Baixo-relevo numa rua do Jordaan



Umas fotografias depois, e voltámos para trás, em direcção à Spui, uma das minhas praças favoritas da cidade, pelas livrarias e mercado livreiro. Queria levá-los à "porta mágica", esta, que também já vos falei aqui



e nos conduz à Beguinaria (Begijnhof), onde viviam as beguinas, senhoras solteiras, que se dedicavam à Igreja e à caridade (especialmente ao cuidado de doentes).

Gosto muito dos jardins frontais das casas da Beguinaria



As beguinas professavam o voto de castidade mas não o de pobreza. Não faziam parte de nenhum convento ou Ordem (mas deviam obediência ao padre local) e podiam deixar a Beguinaria para casar. Actualmente, já não há beguinas neste espaço, tendo a última falecido a 23 de Maio de 1971, com 84 anos.

Na Beguinaria, além de um bonito jardim e dois templos religiosos (um anglicano e outro católico), encontramos também a casa de madeira mais antiga da cidade (na imagem abaixo).

Het Houten Huis (A casa de madeira)
Data de 1420 e é considerada a casa mais antiga de Amsterdam.



Junto a este oásis no centro de Amsterdam, fica o Amsterdam Historisch Museum. Neste edifício, funcionou entre 1580 e 1960, o orfanato da cidade (burgerweeshuis).





Neste museu, situa-se uma das minhas esplanadas favoritas de Amsterdam e um dos recantos mais tranquilos e protegidos da cidade - ninguém diria que, do outro lado, fica uma das ruas mais movimentadas da capital, a Kalverstraat, onde se situa a Igreja do Papagaio, que lhes mostrei também. Foi de lá que fomos em direcção à Dam Square, também a dois passos, para apanhar o eléctrico que nos levaria ao destino seguinte, no outro lado da cidade.




Igreja do Papagaio na Kalverstraat



(continua)


17 comments:

Sami said...

Quando ai estive adorei o Begijnhof, um recanto bem calmo. Tambem gostei imenso do Museu de Amesterdao (Amsterdam Historisch Museum) que ate foi o primeiro que visitamos, mas foi para nos o melhor museu da cidade. Como era inverno as mesas do cafe do Museu nao estavam dispostas como na sua foto.
Fiquei com pena de nao ter entrado dentro da igreja do Papagaio...fica para uma proxima visita. Gostei de rever estes locais Sandra.

João Menéres said...

Fico à espera do resto !

O texto que escreves é escorreito e perfeitamente descritivo.
Até tive a sensação de andar contigo a mostrar-me tudo o que mostras !
És uma estupenda guia !

Um beijo agradecido.

Presépio no Canal said...

Mais motivos para vir até cá, Sami! ;-)
Esperemos que o tempo esteja melhor e eu esteja por cá também, nessa altura, para, desta vez, tomarmos juntas um cafezinho ou um lanchinho. :-)
Beijinhos!

Presépio no Canal said...

João, és um querido!!
Muito obrigada pelas tuas generosas palavras.
Quando escrevo, procuro colocar-me no lugar do leitor, para facilitar a escrita e a leitura. Espero ir conseguindo...
Muitos beijinhos para ti. :-)

APS said...

Com estas visitas guiadas holandesas, quase vou sabendo mais do que se lá tivesse ido..;-)
Pode ser que a Isabel Jonet, quando se reformar do Banco (contra a Fome), também abra uma "beguinaria", por cá...
Boa tarde!

Presépio no Canal said...

Que bom que gostou da visita, APS. Foi curtinha - só um dia, mas gostei muito de rever a S. e conhecer o primo dela.
Boa tarde!

Agnes said...

Gostei de (re)ver Amesterdão e da tua descrição. E fiquei com vontade de Poffertjes...

Presépio no Canal said...

Adoro poffertjes e confesso que "assaltei" os da minha amiga. ;-))
Mas sabes uma coisa curiosa? No Inverno, já vou vendo menos kraams a vendê-los, o que é pena. E nem percebo porque razão isto acontece, uma vez que é tipicamente holandês...
Os meus favoritos continuam a ser estes http://presepiocomvistaparaocanal.blogspot.nl/search?q=bussum
Mais do que recomendo. São óptimos! ;-)

Agnes said...

Se calhar estão em dieta, ahah. Mas é pena, realmente, adoro poffertjes. Esses a norte não conheço mas estou tentada a provar! Só levas os leitores para "maus caminhos" ;)

Presépio no Canal said...

Eu adoro maus caminhos :-)) Mas olha quem fala...;-))
Queria pedir-te uma coisa, assim para quando tivesses uma aberta:
os teus sítios favoritos em Londres para comer (pubs, tascas, recantos).
É sempre diferente ouvir quem lá vive e conhece os cantos à casa. ;-)

Presépio no Canal said...

Bussum é próximo de Naarden, esqueci-me de dizer. Fica aqui pertinho para mal dos meus pecados. ;-)

Agnes said...

Claro, este fim de semana já te envio os meus sítios preferidos! Ah, mas eu não moro em Londres(só vou lá demasiadas vezes, cof cof) ;)

Presépio no Canal said...

Merci!! :-))
Sugestões para a tua zona também aceito. Ainda gostava de fazer um percurso de carro pela ilha (que não sei quando será...)

Crocheteando...momentos! said...

Viajei e aprendi com belos registos e um texto elucidativo!!!
Bj amigo

Margarida Elias said...

Gostei muito. Uns amigos meus disseram-me que Amsterdão é bonito. É verdade? Bjns!!

Presépio no Canal said...

Que bom, Graça! E a Graça já cá esteve e palmilhou isto tudo. :-)
Bj amigo

Presépio no Canal said...

Acho que é especialmente bonita com bom tempo, por causa dos canais e das flores em frente às casas. E é uma cidade muito descontraída - sentes muita leveza, muita simplicidade, todos muito relaxados e tranquilos (pelo menos, é assim que a vejo/ sinto).
Beijinhos, Margarida! :-)